Agradecer sempre.

transplante

Há exatamente 365 dias eu me internei no Hospital Albert Einstein, aqui em São Paulo, para fazer um TMO – Transplante de Medula Óssea (saiba mais sobre minha história). Eu achava que sabia o que iria enfrentar porque me preparei física e psicologicamente, mas me senti mergulhando num submundo de dor e sofrimento.

Para minha surpresa (sim, porque esse momento é de muita incerteza sobre a vida), minha recuperação foi incrível. Tenho certeza que esse progresso no tratamento se deve ao meu corpo estar habituado a uma vida saudável e de exercícios físicos. Sou muito grata de ter encontrado um enorme prazer em pedalar, o que me trouxe muito equilíbrio e perseverança na hora de vencer o câncer.

Minha irmã, Teresa Casadevall, foi essencial neste processo. Ela é uma vencedora por natureza e também passou por um linfoma com 19 anos e que quase a tirou de nós. Sem ela, tudo seria muito mais difícil!

Mas como tudo na vida é ciclo e estamos em processo de mudança diariamente, eu passei por tudo isso e estou aqui para agradecer publicamente a todos que me ajudaram a passar por este funil: meus queridos médicos Paulo Silveira e Nelson Hamerschlak, Cláudio Galvão (Tem um lindo texto dele aqui também), equipe de médicos, enfermeiros e auxiliares de enfermagem que são verdadeiros anjos, meus amigos de trabalho que me animavam diariamente , meus queridos amigos da bike que não me largaram e, principalmente, minha irmã, que não me abandonou um segundo sequer nesta jornada!

Muitos pedais virão ainda e muitas histórias para contar também. Viver é simplesmente magnífico e ter como lema o conceito de “Carpe Diem” (viver o dia de hoje como se fosse o último) torna a vida muito mais prazerosa!

O hoje é a nossa única certeza.

Um beijo!

Nuria

Agradecer sempre.

Pedalar com dores nas costas, ninguém merece! Por Silvia Micelli

Agradecer sempre.

Quer saber um pouco mais do caminho de Santiago?

Mais novo

There are 8 comments

  1. irma sabo

    Meu amor, permite te amar sempre, você é e sempre será vencedora da vida e isso mesmo Carpem Diem. Quanto a Cris o que falar ( doce ).
    Pedale, pedale, pedale sempre o mais que puder, nada mais gratificante do que a liberdade que a bike lhe proporciona.
    Beijos, mil beijos!

Publique um comentário